Artigos > Substituição de restaurações a Amálgama

Substituição de restaurações a Amálgama

A Substituição de restaurações a Amálgama tem sido utilizada como material dentário restaurador por mais de 150 anos. Trata-se de uma mistura de...

Substituição de restaurações a Amálgama

A Substituição de restaurações a Amálgama tem sido utilizada como material dentário restaurador por mais de 150 anos. Trata-se de uma mistura de aproximadamente 43-54% de mercúrio combinado com outros materiais incluindo prata, cobre e estanho.

Apesar da amálgama ser um material forte e durável, continua a apresentar uma grande controvérsia sobre a possível toxicidade do mercúrio que o constitui. Como desvantagens podemos salientar:

  • Ausência de estética
  • Libertação de vapor de mercúrio
  • Escurecimento da restauração de amálgama devido à corrosão
  • Exigência de preparo cavitário extenso devido à ausência de adesão química aos tecidos dentários, o que muitas vezes se traduz por remoção de tecido dentário são
  • Em casos raros pode levar ao aparecimento de reacções alérgicas

Cada vez mais os compósitos (em pequenas e médias restaurações), e a cerâmica (em restaurações mais extensas), tem vindo a ser a primeira escolha na obturação de dentes posteriores.

Assim, podemos apresentar como razões para a substituição de restaurações de amálgama:

  • Cárie secundária,
  • Fratura ou perda de material restaurador,
  • Fratura dentária
  • Desgaste da restauração
  • Infiltração marginal
  • Forma anatómica incorreta da restauração
  • Alterações severas de cor

Para decidir qual o tratamento a realizar deve-se chegar a um correto diagnóstico baseado em evidências clínicas e radiográficas bem como conhecer a causa do insucesso da restauração de forma a evitar-se uma opção de tratamento que leve à mesma falha.

Devido aos avanços tecnológicos e aos modernos materiais dentários, os dentistas têm mais meios de criar um sorriso agradável e natural. Com o desenvolvimento destes novos materiais, como a cerâmica e polímeros que se assemelham aos dentes naturais, os dentistas e pacientes têm, atualmente, várias escolhas no que diz respeito à selecção de materiais para reparar ou substituir dentes ausentes, fraturados ou cariados.

Materiais Alternativos ao uso de Amálgama

Estes materiais alternativos ao uso de amálgama (compósitos e cerâmica) apresentam as seguintes características:

  • Estética – cor e sombreamento semelhantes ao dente a ser restaurado.
  • Boa translucência, mimetizando o esmalte
  • São relativamente fortes e resistentes ao desgaste fisiológico
  • Permitem a manutenção de estrutura dentinária sã
  • Baixo risco de infiltração caso aderido ao esmalte
  • Não sofrem corrosão
  • Resistência moderada a possível cárie recorrente, sendo que caso se verifique o seu diagnóstico e fácil
  • Baixa incidência de reacções alérgicas

Assim, podemos concluir que o índice estético alcançado, a eficácia das técnicas adesivas actuais viabiliza a utilização de resinas compostas e cerâmica como opção de tratamento em dentes posteriores permitindo não só a preservação mas também o reforço da estrutura dentária remanescente.

Perguntas frequentes

Se o meu dente não dói, e a restauração ainda se mantém, porque é que há necessidade de substituir a restauração?
A constante força exercida pela mastigação e apertamento dentário pode causar desgaste, fissuras e fraturas das restaurações dentárias. Embora o paciente possa não ser capaz de identificar o desgaste das restaurações, o dentista pode diagnosticar a fragilidade das mesmas durante a consulta de check-up dentário.

Por outro lado, se o selamento entre o esmalte e a restauração enfraquece, os restos alimentares e as bactérias criogénicas, as quais promovem a cárie dentária, podem alojar-se nestes intervalos, havendo o risco de se desenvolver cárie recorrente. Caso não se diagnostique esta cárie atempadamente, esta pode progredir atingindo a polpa dentária, levando ao aparecimento de abcesso.

Caso a cárie recorrente seja muito extensa e não haja estrutura dentária remanescente suficiente para suportar uma restauração, opta-se por substituir a antiga restauração por uma coroa ou inlay.


É possível ter uma reacção alérgica ao amálgama?

Só um número reduzido de pessoas é alérgica a um ou mais metais usados nas restaurações a amálgama. Nestes casos, a restauração pode desencadear uma reação local que produz sintomas similares aos de alergia cutânea. Os pacientes que normalmente apresentam este tipo de reacção à amálgama tem história familiar de alergia aos metais.

Marcação de Consulta em Implantes Dentários
30 anos de experiência ao seu dispor

Devolvemos-lhe a alegria de sorrir novamente!

Marcar Consulta Ligue 229 376 497

Agende uma consulta online de forma simples e rápida!

Urgências Das 8H às 24h
Em ambiente hospitalar no Hospital CUF e Instituto CUF
Ligue 935 184 727 Ligue 935 184 727